Arquitetura Biofílica: uma vertente sustentável para projetos comerciais de sucesso

Tempo médio de leitura: 3:00 min

O termo biofilia foi popularizado pelo biólogo norte-americano Edward Wilson, nos anos 80, ao ser citado em seu livro publicado pela Harvard University Press. Vinda do grego, a palavra se refere ao amor pelas coisas vivas, ou seja, a relação que temos com a natureza. Edward Wilson acreditava que o homem tem a tendência natural para voltar sua atenção às coisas vivas.

Mas afinal, você sabe quais os benefícios dessa vertente da arquitetura?


Se paramos para imaginar um ambiente tranquilo e que nos traga bem-estar, geralmente pensamos em lugares com elementos da natureza presente (praias, montanhas, paisagens, vegetação). Isso porque o homem passou grande parte da sua história em contato com o ambiente natural e que sua evolução biológica se deu em resposta às mudanças da natureza. Isso faz com que hoje, mesmo inseridos em grandes metrópoles, tenhamos a necessidade de relação com a natureza. Assim, a arquitetura biofílica nasce com o intuito de reaproximar o ambiente construído de elementos naturais. Afinal, atualmente passamos cerca de 90% do nosso tempo em espaços artificiais criados pelo homem. 

A arquitetura biofílica é capaz de trazer diversos benefícios, quando utilizada em espaços residenciais, mas principalmente se inserida em ambientes de trabalho. Ela pode ajudar a  reduzir o stress, estimular a criatividade e a produtividade. Além disso, pode deixar o varejo mais rentável, reduzir tempos de internação em espaços de saúde e incentivar o foco e aprendizado em ambientes escolares.

Um estudo realizado em 2016 pelo World Green Building Council, afirma que  “melhorar a qualidade do ar, aumentar a luz natural e introduzir hortaliças – aquelas que normalmente trazem benefícios ambientais, como o uso de menos energia – também pode ter um impacto dramático nos resultados, melhorando a produtividade dos funcionários e reduzindo o absenteísmo, a rotatividade de colaboradores e os custos médicos.” 

A arquitetura biofílica então propõe a inserção de elementos naturais no ambiente construído, como o uso de madeiras, vegetação e água. Estudos demonstraram que a madeira relaxa o sistema nervoso autônomo, diminuindo as respostas relacionadas ao estresse. Outra estratégia da arquitetura biofílica é o design biomimético, que tem como principal ideia a utilização de padrões e formas inspirados nos desenhos da natureza. 

Apple Store – Foster & Partners Architects

Além disso, prioriza o  uso de ventilação e iluminação natural, assim como conexão visual com o ambiente externo. Este último fator é indispensável para melhorar a qualidade de vida, visto que quando temos a percepção do passar do dia não afetamos nosso ciclo circadiano. Ou seja, nossa produção de  hormônios acontece dentro do nosso ritmo biológico, diminuindo problemas como ansiedade e insônia.

Keme Cofee - HMA Architects & Designers

Em conclusão, através da arquitetura biofílica, proporcionamos:

– Maior Produtividade e bem-estar

– Melhor conforto termoacústico

– Redução das taxas de stress e gastos com saúde

– Melhor iluminação natural

– Espaços que melhoram a interação social

E você, já pensou em transformar seu comércio ou local de trabalho? Que tal utilizar estratégias da arquitetura biofílica no seu espaço? Chama a gente para te ajudar a tirar essa ideia do papel!

Ano: 2019

Tipo: Projeto de interiores

Localização: Florianópolis | SC

 

GOSTOU DO CONTEúDO?

Então leia também o EBOOK “Arquitetura Sustentável – 6 estratégias para aplicar no seu negócio (e porque aplicar)”. Um material rico e desenvolvido especialmente para você que quer empreender de forma sustentável.